As chances de sobreviver ao melanoma variam à medida que a espessura do tumor e o estágio da doença aumentam. Assim, quanto mais precoce o diagnóstico, maior a oportunidade de cura. O melanoma detectado quando confinado à epiderme, pode ser curado com ressecção cirúrgica do tumor e do tecido saudável ao redor, com intuito de não deixar possíveis células malignas.

 

Já o melanoma diagnosticado em fases mais avançadas, quando possui metástases, limita as possibilidades de cura, mas com atual avanço das opções terapêuticas, por exemplo, imunoterapia (forma de tratamento que ativa o sistema imune do paciente a combater o tumor) e terapia-alvo (tratamento direcionado a alguma mutação gênica do tumor), têm extendido consideravelmente o tempo e a qualidade de vida desses pacientes.

 

A principal dica para detectar precocemente o melanoma é prestar atenção nas pintas antigas e também nas que surgem: pintas com formatos incomuns ou irregulares, que coçam, sangram ou aumentam de tamanho ou mudam de cor,quando detectadas devem ser avaliadas rapidamente por um médico dermatologista.

Mas tão importante quanto o diagnóstico precoce, é diariamente lembrarmos do que podemos fazer para diminuir as chances de termos melanoma:

 

– Usar e reaplicar sempre o protetor solar compatível com o tom de pele, mesmo aqueles à prova d’água.

– Lembrar que o mormaço queima, pois as nuvens filtram muito mais o calor do que a radiação ultravioleta. Por isso é importante usar protetor mesmo em dias nublados.

– Evitar exposição prolongada, principalmente entre 10h e 16h.

– Procurar lugares à sombra, pois mesmo debaixo do guarda sol o reflexo da radiação chega a 35%.

– Usar óculos escuros, chapéus, camisa de manga longa e calça comprida.

– Observar o corpo atentamente. Caso perceba alguma modificação num sinal mais antigo ou mais recente, consulte um dermatologista.

 

http://blogdoajas.cepon.org.br/2018/04/03/melanoma-e-a-forma-grave-de-cancer-de-pele/